Siga-nos

Em alta

COTIDIANO

Blumenau vista do alto: os cliques de Daniel Zimmermann do Morro da Cruz (Mini Spitz), em Blumenau 

morro da cruz
Vista panorâmica de Blumenau a partir do Morro da Cruz. Foto: Daniel Zimmermann

Quem me conhece sabe que sou apaixonado por fotografia. Quando posso, saio pelas estradas da região em busca de bons cenários. O próximo destino já está definido: o Morro da Cruz ou Mini Spitz, como é conhecida uma elevação lá do Jordão, região Sul de Blumenau.

Foi de lá que o competente fotógrafo Daniel Zimmermann fez os cliques desta postagem no fim de semana passado. A imagem acima é de Blumenau no fim da tarde. Abaixo o mesmo clique foi feito no escuro, dando destaque às luzes da cidade. Em primeiro plano está o “Reino” do Garcia. Mais acima a região Central e depois a região Norte. O morro mais alto, à direita, é o Morro do Cachorro.

Blumenau à noite
Blumenau à noite. Foto: Daniel Zimmermann, arquivo pessoal

Outras elevações importantes podem ser vistas de lá, como o Morro Azul (Timbó), o Siptzkopf, o Morro do Baú (Ilhota), o Morro do Schmidt (Pomerode) e o Morro do Barão (Botuverá).

Na foto abaixo, fica claro o motivo do local ser batizado também de Morro da Cruz. O clique foi feito no cair da noite com o obturador aberto por 20 segundos. Ou seja, o sensor da câmera recebeu luz por 20 segundo para gravar essa imagem.

Morro da Cruz
As cruzes do Morro da Cruz. Foto: Daniel Zimmermann, arquivo pessoal

Abaixo, uma das mais belas representações do que a natureza é capaz de fazer por nós. A “pintura” com as cores do fim da tarde foi captada pelo olhar do Daniel com um detalhe que faz toda a diferença: o contorno escuro do Morro do Spitzkopf, ao centro. No mínimo inspirador. Além de despertar a vontade de conhecer o local.

morro da cruz daniel

Para chegar ao Mini Spitz, Daniel dá as coordenadas. É necessário caminhar por cerca de 50 minutos os dois quilômetros da trilha que começa no ponto final da Rua Francisco Benigno. Pra chegar lá, deixo a indicação no Google Maps. O indicador vermelho está no ponto final da rua, onde os visitantes deixam o carro. O portão de acesso está menos de 100 metros depois, do mesmo lado da rua. Clique em “Visualizar mapa ampliado” e depois em “Rotas”.


A família que cuida do terreno que dá acesso à trilha diz que o acesso está liberado. O visitante só tem manter o portão fechado e a trilha limpa. Todo e qualquer lixo deve ser levado.

É importante também evitar o fogo. O ciclista Everton Pering, um dos voluntários que trabalham pela manutenção do local, diz que tem visto restos de fogueira deixados pelos visitantes. Alerta mais do que necessário. Infelizmente ainda temos inconsequentes entre nós.


Telegram

1 Comment

  1. Fábio Venhorst

    Grande Daniel, arrasando como sempre nas fotos.
    O lugar é legal mesmo, uma das muitas belas opções de trilha da região. Pena que muita gente não respeita a natureza e acaba deixando lixo nas trilhas e fazendo fogueiras pondo em risco a vegetação. Lamentavelmente tivemos vários focos de incêndio em locais acessados por trilhas durante a seca deste ano. E o mais triste é saber que muitos dessas fogueiras são feitas sem necessidade alguma, por diversão, sem cuidado algum. Mesmo ao acampar o ideal é usar fogareiros portáteis para cozinhar e para se aquecer é melhor e mais seguro usar roupas adequadas e equipamentos apropriados pra se aquecer ao dormir em barracas. Fogueiras só em caso de extrema necessidade em emergências e ainda assim há procedimentos adequados pra fazê-la em segurança.

Deixe um comentário

Campos obrigatórios são marcados com * *